Brexit: Falta de acordo poderá forçar britânicos a pedir Visto Gold para viver em Portugal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Gold Visa to UK citizen

Um quinto dos beneficiários do regime de residentes fiscais não-habituais em Portugal são britânicos, mas um ‘Brexit’ sem acordo poderá tornar o ‘Visto Gold’ a opção mais adequada, afirmou hoje um advogado português.

Afonso Barroso, sócio da sociedade de advogados Abreu & Marques, lembrou, num evento em Londres, que, no caso as negociações com Bruxelas não garantirem os direitos dos cidadãos britânicos, o ‘Visto Gold‘ pode ser uma solução para garantir residência em Portugal.

Atualmente, cerca de 19% dos beneficiários do regime fiscal de Residente Não-Habitual (RNH) em Portugal são britânicos, sobretudo aposentados, mas também alguns profissionais liberais, como arquitetos.

Este programa, destinado a aposentados ou pessoas qualificadas em atividades de elevado valor acrescentado, atribui vantagens ou isenções fiscais durante 10 anos a quem se mude de outro país e se instale em Portugal.

Atualmente é sobretudo usufruído por europeus, nomeadamente franceses, suecos e dinamarqueses, além dos britânicos, cujo número de residentes em Portugal se estima que ronde os 40 mil.

Já o sistema o ‘Visto Gold‘ depende da aquisição de entre 350 mil a 500 mil euros numa propriedade imobiliária, um depósito de um milhão de euros numa instituição bancária nacional, a criação de mais de 10 empregos ou o investimento de 250 mil euros numa produção artística ou património histórico.

Esta opção permite a entrada em Portugal sem visto de residência e a livre circulação na zona Schengen, bem como o direito à reunião de família e o acesso a cidadania após cinco anos e tem sido aproveitado sobretudo por nacionais extra-europeus, como chineses e brasileiros.

Perante os diferentes modelos para a saída britânica da UE, “estes programas poderão servir para navegar os desafios da mudança”, sugeriu Afonso Barroso no seminário “Brexit e a aliança anglo-portuguesa”.

Organizado esta noite pela Câmara de Comércio Portuguesa no Reino Unido, o evento quis projetar Portugal como plataforma de acesso à União Europeia após a saída do Reino Unido.

Além dos diferentes regimes de residência fiscal para pessoas, Portugal dispõe também opções para o estabelecimento de empresas britânicas no espaço europeu.

Michael Gates, representante Empresa de Desenvolvimento da Madeira (SDM), defendeu que a Zona Franca da Madeira (ZFM) “pode oferecer uma plataforma para empresas britânicas que procurem um caminho diferente para empresas que procurem um ambiente amigável e favorável para trabalhar com a União Europeia”.

Sendo improvável que o Reino Unido continue no sistema de IVA ou sujeito às diretivas fiscais europeias, pode também agir como uma base de acesso a outros países com quem Portugal tem acordos bilaterais e de dupla tributação.

A ZFM permite o licenciamento e instalação de empresas com a condição que criem empregos ou façam um investimento mínimo, oferecendo uma taxa reduzida de IRC de 5% e isenção de retenção na fonte no pagamento de dividendos, entre outros benefícios fiscais, ao fim de 2027.

Segundo Gates, a ZFM garante “credibilidade e estabilidade” na integração com os sistemas fiscais português e europeu.

O presidente da Câmara de Comércio Portuguesa no Reino Unido, João de Abreu, argumentou que Portugal, enquanto o aliado mais antigo do mundo, pode “contribuir para reduzir qualquer mal que possa acontecer ao Reino Unido como consequência do ‘Brexit’“.

Realçando a importância geoestratégica do país ao longo da história, o advogado garantiu que a relação bilateral está assegurada pelos diferentes tratados feitos ao longo de quase nove séculos entre os dois países.

“Estiveram sempre em vigor. Estudámos esta questão com cuidado e a conclusão é que vão continuar até serem revogados”, esclareceu.

A saída do Reino Unido da UE está prevista para 29 de março de 2019, mas os termos do “divórcio” estão ainda em discussão, sendo conhecido que o Governo já descartou a permanência no mercado interno.

Londres e Bruxelas estão também a discutir um período de transição que poderá prolongar-se até ao final de 2020, após o qual o Reino Unido quer iniciar uma “nova relação” comercial e institucional com os 27.

Fonte: 24 Sapo.pt ( leia o artigo completo )

Quer morar em Portugal?

Saiba como a LuResolve pode ajuda-lo no seu plano de imigração.

Agende uma Web Reunião

Whatsapp, Skype, Hangout ou Zoom – VALOR REDUZIDO ATÉ JUNHO

Diga olá!
Precisa de ajuda?
Olá, como posso ajudar?