“Fuga de cérebros” representa 40% da emigração portuguesa anual, estima académico

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Fuga de talentos em Portugal

Foto: Jornal Economico (reprodução)

Na apresentação do relatório da OCDE “Perspectivas da Migração – 2017”, o professor Jorge Malheiros, do Instituto de Geografia e de Ordenamento do Território, disse acreditar que a emigração em Portugal vai abrandar ainda mais, porém não para aqueles que têm maior grau académico.

A “fuga de cérebros” representa 40% da emigração portuguesa por ano, estima o professor do Instituto de Geografia e de Ordenamento do Território, Jorge Malheiros, citado pelo Correio da Manhã desta quinta-feira, à margem da apresentação do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) “Perspectivas da Migração – 2017”.

Durante o evento, o académico afirmou que os países de destino são “em particular, países do hemisfério Sul, como Angola, Moçambique e Brasil, que atraem um maior número de quadros superiores”, mas que existem muitos licenciados que voam para países da União Europeia ou da América do Norte.

O professor Jorge Malheiros acredita que a emigração em Portugal vai abrandar ainda mais, porém não para aqueles que têm maior grau académico: “esta tendência [de quebra] não se irá verificar”, justificou.

De acordo com Jean-Christophe Dumont, responsável da divisão das migrações da OCDE, há dois anos, cerca de metade (51%) dos que imigraram para Portugal fizeram-no em “agrupamento familiar”, segundo as declarações divulgadas pelo CM, proferidas na mesma apresentação.

Fonte: Jornal Economico (leia o artigo completo)

Quer morar em Portugal?

Saiba como a LuResolve pode ajuda-lo no seu plano de imigração.

Agende uma Web Reunião

Whatsapp, Skype, Hangout ou Zoom – VALOR REDUZIDO ATÉ JUNHO

wpChatIcon